domingo, 1 de junho de 2014

Som de pedra



Apenas um ruído
fugidio

Mas se me viro para olhar
não passa de outro
hesitante silêncio

(À pedras sobrepostas
o que há para indagar?)

Mas há um cheiro de ausência
que permeia
o ar

Junho, domingo de 2014
Fotografia, Sidarta



4 comentários:

  1. algures entre tanto e coisa nenhuma, enquanto o vento, ali ao lado, se inclina para morrer...

    há palavras que nos vestem inteiros como pondras de pedras soltas num rio de profundidade impossível... existe a perna, sabemos do salto, mas... até onde a coragem?

    beijinho grande!

    ResponderExcluir
  2. Precioso sitio!
    Con tu permiso me quedo para seguirte, abrazos desde Uruguay!

    ResponderExcluir