sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Desses dias



        "Estamos a pocos pasos de una eternidad de silencio".
          (Alejandra Pizarnik - Fragmento de "Pequenos Poemas em Prosa")




Silenciosos cômodos
preenchidos
do vazio
da casa

Lá de fora
parece que se ouve
o instante do pousar
da folha
derrubada sobre a pedra

Por esses dias
somam-se
horas
manhãs
tardes

dias inteiros
a escutar silêncio

Janeiro, 4 de 2013
Fotografia, Marlene Edir Severino
                                                                                    

5 comentários:

  1. Marlene, acho que nunca tinha lido poesia tua. Só agora.
    Fui ao "Além do quintal" e li alguns poemas. Tal como aqui. E fiquei deliciado. Parabém pelo talento poético que as tuas palavras revelam.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Venho deixar um abraço imenso e retribuir o carinho, seja por tantos anos, ou por alguns dias. Mas principalmente, pela troca e bonitezas que surgem e dos amigos que conquistamos e que no fundo, no fundo, não são tão virtuais assim...

    Tem um presente pra você aqui: http://ancoradanoriso.blogspot.com.br/2013/03/vasto-coracao.html

    Espero que se sinta num abraço e que goste.
    Deixo o meu carinho.
    Beijo na alma,
    Sam.

    ResponderExcluir
  3. Todo vazio é sempre preeenchido por uma ou várias ausências; e o silêncio não deixa de ser um vazio. Teu poema me toca especialmente pois trata de temas a que recorro desde que comecei a escrever poesia: o silêncio e a ausência.

    Um texto sublime, Marlene, que me sabe tão familiar, tão íntimo...

    Gratidão. Um abraço com carinho,
    André

    ResponderExcluir